Home / Cyber Security / Segurança e privacidade nas cidades inteligentes.

Segurança e privacidade nas cidades inteligentes.

Os celulares são inteligentes, os relógios são inteligentes, as geladeiras são inteligentes, as roupas são inteligentes… Cada vez mais, o conceito smart se alastra e o acesso à internet é naturalizado como parte comum do dia a dia. Para alguns, as cidades inteligentes se enquadram no smart ao oferecerem acesso à internet em locais públicos. Porém, elas vão muito além do Wi-Fi na praça ou nos pontos de ônibus. Os projetos mais relevantes englobam tecnologias variadas com o intuito de modificar a experiência e a vivência dos cidadãos. Gerenciamento urbano apoiado em dados (Data-Driven Urbanism), IoT, Big Data, algoritmos, análise preditiva, tudo isso voltado à melhoria da infraestrutura das cidades.

Com tanta tecnologia, questões sobre segurança da informação, vulnerabilidade de dados e privacidade entram na pauta urbana. No GRC + DRIDAY 2018, o painel moderado por Cristiano Breder, da Wipro, contou com André Galvão, Prodam, Leonardo Noshi, NRPAR Participações. Com experiências em grandes eventos esportivos, como Copa do Mundo, Olimpíadas e Jogos Pan-Americanos, além de atuação no desenvolvimento de municípios, o trio trouxe à tona o que costuma ser esquecido sobre as cidades inteligentes. Obviamente, gestão e cidadãos anseiam por soluções que facilitem e melhorem a vida nas cidades. Entretanto, segurança e privacidade são fatores fundamentais a serem considerados.

O dilema não é novo. O usuário quer acesso e facilidades, mas há riscos e vulnerabilidades no uso de tecnologias disponibilizadas aos cidadãos. Outro ponto crítico são os dados pessoais. Muitas cidades têm populações imensas e um arsenal de informações exorbitante. Garantir a segurança, gestão de privilégios e privacidade em cenários tão voluptuosos é um desafio imenso. Muitos participantes do evento lidam com dificuldades similares no universo corporativo. Logo, conhecer os problemas e as soluções aplicadas em uma esfera de milhares e até milhões de habitantes ofereceu um panorama muito rico de aprendizados. Afinal, a discussão sobre expectativas e próximos passos das cidades inteligentes tem diversos pontos de sinergia com o universo dos negócios.

 

Cidades mais conectadas

Entre os conteúdos apresentados no painel, os rankings de cidades mais conectadas no Brasil e no mundo foram úteis para a compreensão de qual o estágio atual e quais as oportunidades no horizonte. Segundo dados da Urban Systems, publicados pela Revista Exame, o TOP 5 nacional (2017) é composto por: São Paulo/SP, Curitiba/PR, Rio de Janeiro/RJ, Belo Horizonte/MG e Vitória/ES. Todas capitais de seus Estados e cidades que concentram grandes recursos por serem de grande porte. Porém, alongando até o TOP 20, municípios de pequeno e médio porte entram em cena: Campinas/SP (8°), Santos/SP (12°), Barueri/SP (13°), Maringá/PR (19°) e São Bernardo do Campo/SP (20°).

Já o ranking mundial (Fonte: EasyPark – 2017) é encabeçado por Copenhague, a capital da Dinamarca. Em seguida, Singapura, Estocolmo, Zurique, Boston, Tóquio, São Francisco, Amsterdam, Genebra e Melbourne completam o TOP 10. As únicas brasileiras no TOP 100 são: São Paulo/SP (80°) e Rio de Janeiro/RJ (86°).

Sobre Vanessa Oliveira

mm
Pós-graduada em Marketing Digital, com MBA em andamento em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais, graduada em Comunicação.

Confira tambem

Google Calendar no olho do furacão de ataques de phishing

Hackers utilizam o aplicativo para disparar campanhas de phishing e coletar dados pessoais Popular e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *