Home / Cyber Security / IoT: riscos, vulnerabilidades e forense.

IoT: riscos, vulnerabilidades e forense.

Itens do quotidiano com acesso à internet não são a novidade da última semana. Smartphones, wearables, aparelhos domésticos inteligentes e outros tantos objetos IoT são realidade há alguns anos. Aliás, a próxima fronteira que já começou a ser rompida são os biochips, algo como wearables, mas implantados no corpo. Todos os avanços decorrentes da internet em todos os lugares e em todas as coisas são fascinantes e inspiradoras. Frente a isso, a Forense digital ganha mais relevância e tem desafios significativos no horizonte.

O GRC + DRIDAY 2018 trouxe o assunto para o debate com uma apresentação impactante de Thiago Bordini, Diretor da NS Prevention, Santiago Schunck, sócio da  SCSA Advogados e o Prof. Luiz Rabelo, Coordenador da pós-graduação em Perícia Forense Digital da DARYUS Educação em parceria com a Faculdade Impacta. Bordini, que possui dois biochips implantados nas mãos, simulou um ataque ao smartphone de uma das participantes do evento. Tudo diante da plateia e em poucos segundos. A dinâmica apresentou a amplitude que os vetores de ataques cibernéticos podem atingir e foi ponto de partida para discussão sobre viabilidades forenses e legais para tratar o caso.

A tríade simulação de ataque, avaliação forense e aval jurídico foi fundamental para que o assunto fosse analisado sob todos os vieses. Rabelo e Schunck explicaram as deficiências legislativas que o caso enfrentaria. Por exemplo, umas das medidas forenses seria solicitar o vetor de ataque, se descoberta a origem. Entretanto, por tratar-se de algo implantado no corpo de Bordini, não haveria amparo legal para esta tratativa ou recolhimento de provas, além do que o biochip não registra logs ou tem HD. Há ainda muita dificuldade no acompanhamento jurídico de casos sobre cibersegurança, pois as tecnologias e ataques avançam em uma velocidade maior do que as respostas possíveis.

 

IoT: novo mindset investigativo.

Umas das exigências resultantes da complexidade dos casos é a necessidade de um novo mindset investigativo, frisou o Prof.  Luiz Rabelo. A tendência é que invasões e vazamentos de informações evoluam com a tecnologia. Ao inserir as possibilidades diversas da Internet das Coisas, o cenário ganha ainda mais complexidade. As expectativas são de um futuro no qual a internet esteja presente em praticamente tudo. Quando até o corpo humano entra na lista, a complexidade é elevada para um patamar elevadíssimo. Por isso, a ciência forense digital e a legislação precisam evoluir a fim de que tenham condições de acompanhar as mudanças na velocidade exorbitante que elas acontecem.

Sobre Vanessa Oliveira

mm
Pós-graduada em Marketing Digital, com MBA em andamento em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais, graduada em Comunicação.

Confira tambem

Grupo DARYUS marca presença no CIAB FEBRABAN 2019

Durante os três dias, o público teve acesso às palestras sobre LGPD e DPO, assuntos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *